14 de dez de 2011

ao boi o que é do boi / Sha-layam!


primeiro lugar na categoria videoclipe do 13o Festival de Video de Pernambuco

30 de nov de 2011

Edward MacRae - Proibição da Maconha, Racismo e Cultivo Caseiro - video Hempadão


tem 9'30" aí pra ver o melhor video de 2011 levantando o histórico racista da proibição da #maconha no brasil?

26 de nov de 2011

9 de nov de 2011

21 de out de 2011

Eduardo Galeano: cérebro e tripas

só assistindo...


8 de out de 2011

De Andada (agora no vimeo) - 10 anos esse ano!

uma homenagem à passagem do tempo (e à fita Beta original desse projeto que torou no começo do ano) R.I.P. Fita Beta... longa vida ao arquivo digital (feio, porém honesto)

29 de set de 2011

Sha-layam!

27 de set de 2011

djóuvenes!

26 de set de 2011

14 de set de 2011

chico marley - ao vivo em olinda


caralho, eu pensava que era brincadeira de victor zalma... mas esse registro raríssimo existe mesmo!

1o festival da cultura canábica - puc sp - 16/09/2011

o bucólico passeio na rua acre - jr. black / rgb


"o sol era somente a ponta do baseado de deus / e a gente só queria dar uma volta" - jr. black

arte de victor zalma, senhoras e senhores!

11 de set de 2011

3 de set de 2011

Vaporizador I-Olite - maconha tv


passo a passo do uso do vaporizador portátil, vendido online por módicos 300 reais.
fala com o pablo www.sementemaconha.com

2 de set de 2011

23 de ago de 2011

o blog da melhor tabacaria do recife está no ar :



passa lá pra bater um papo com Carmen e China, os gerentes mais limpeza do centro da cidade :D

a Boa Vista Tabacaria também é o ponto de venda exclusivo das camisetas /lombra (sempre que pinto uma dessas... o que não acontece com frequência, mas acontece de vez em quando... e quando acontece é massa! Jah Rastafari!!)

16 de ago de 2011

"pelo poder de experenciar" - Suely, leitora do filipeta e do JotaCê :D


Suely é mãe de Pedro e Mariana
e depois de me ver rabiscado de hidrocor no JC, ela ficou afim de fazer sua própria versão da foto com uma frase que motiva o retratado a contestar as leis proibicionistas
botou pra fuder, não foi?

e pela cara dela, foi risada até umas horas nessas sessão de fotos :D
valeu, Suely!

pimp my Collins - Sto Lyma


11 de jul de 2011

29 de jun de 2011

21 de jun de 2011

metous #72 - olha a ganja!


:D

18 de jun de 2011

Free Sativa Lover - www.sementemaconha.com

Marcha da Maconha! EU FUI? - kibados na coluna do José Simão na Folha :D

BUEMBA! BUEMBA! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!
E a Grécia? Sabe por que a Grécia quebrou? De tanto quebrarem pratos! E sabe por que eles não se entendem? Porque só falam grego. E manchete do "Piauí Herald": "Eike Batista compra a Grécia". E muda o nome do filho de Thor pra Zeus!

E o site Futurinhas tá vendendo uma camiseta de futebol: "Virgindade não é pênalti! Pode perder!". Rarará!

Vulcão e Marcha da Maconha. A Semana da Fumaça! E o Eramos6: "STF agora analisa liberação da Marcha do Luan Santana". Decisão: "Se não fizerem apologia dos CDs e nem cantarem as músicas dele na Marcha, a gente libera". E a camiseta: "Marcha da Maconha! EU FUI?". E eu tenho um amigo careca que fumou maconha e nasceu uma peruca rasta! Rarará!

A Marcha das Marchas: Marcha pra Jesus, Marcha das Vadias, Marcha da Maconha. E Rubinho também vai criar uma Marcha: a Marcha Lenta.

E a única Marcha que eu detesto é aquele filme "A Marcha dos Pinguins". Só andam e são monogâmicos. Se monogamia fosse natural não ia ter tanto motel no Brasil. E uma amiga minha é monogâmica preguiçosa: tem preguiça de pegar o segundo. Rarará!

e sabe onde essa piada do "Eu fui?" foi publicada pela primeira vez?
aqui mesmo no filipetinha, veja com seus próprios olhos: [2008: ]
orgulho de ser kibado por uma macaco tão ilustre!

16 de jun de 2011

Drogas e cidadania - por Flavio Campos no Seminário Drogas: Subjetividade, Autonomia e Tutela

A marcha pode - www.charges.com.br

(trecho de) Marchas da maconha: para além da neblina sensacionalista - Rafael Gil Medeiros e Ricardo André Cecchin

“No início deste milênio, São Paulo e Rio de Janeiro sediaram a Passeata Verde, e com a capilarização possibilitada pela internet, lembramos do Growroom [20] , fórum dedicado à cultura canábica, que reúne milhares de membros online, tendo precedido (e influenciado) o recente surgimento de muitos outros sítios sobre o assunto [21] . O fato é que a internet parece ter unido esse povo todo, facilitando a conexão entre pequenos guetos e a livre (e saudável) troca de saberes ainda clandestinos, potencializando-os [22]."

Rafael Gil Medeiros e Ricardo André Cecchin, em Marchas da maconha: para além da neblina sensacionalista (Gênero e drogas: contribuições para uma atenção integral à saúde / Instituto Papai / GEMA/UFPE, 2011)


[21] Pensamos fazer sentido incluir aqui não só sites de coletivos com os de São Paulo (http://coletivodar.wordpress.com) e Recife (http://filipetadamassa.blogspot.com), mas também os de cultura canábica geral, como http://ecognitiva.blogspot.com; http://hempadao.blogspot.com . Pedimos desculpas desde já por eventuais esquecimentos, mas vale a pena pesquisar nestas redes!

[22] VIDAL, Sérgio. Colhendo KylobYtes: o Growroom e a cultura do cultivo de maconha no Brasil. UFBA, 2010. Disponível em: http://slideshare.net/growroom/colhendo-kylobytes-o-growroom-e-a-cultura-do-cultivo-de-maconha-no-brasil-3404238 . Acesso em 20.04.10.

metous 71 - www.blogdometous.blogspot.com

Celso de Mello e seu Histórico voto a favor da Marcha da Maconha no STF - Hempadão


14 de jun de 2011

Sergio Vidal no Recife - 6 / Lançamentos simultâneos + emenda da trollagem involuntária :D


Depois foi lançamento - simultâneo! - do livro "Cannabis Medicinal - introdução ao Cultivo Indoor - na Rua Mamede Simões E no Centro de Convenções, dentro do Seminário do Conselho Regional de Psicologia.

O recorde de maior número de livros vendidos em um só dia!

Fotos: neco tabosa

E, um dia depois... a errata do blog :D
(admito: se eu tivesse tentado fazer isso, não daria tão certo)


Sergio Vidal no Recife - 5 / Chat no www.pernambuco.com



clica em repetir!

Sergio Vidal no Recife - 4 / Matéria de Letícia Lins n´O Globo

Campus da Universidade Federal de Pernambuco é palco de aula sobre cultivo da maconha


RECIFE - O campus da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) foi utilizado nesta segunda-feira à tarde para um aula, no mínimo, inusitada: como se cultivar um pé de maconha. A chamada "Oficina de Cultivo de Cannabis" teve 60 "alunos" e foi ministrada pelo antropólogo Sérgio Vidal, autor do livro "Canabbis Medicinal - Introdução ao Cultivo Indoor", lançado à noite em Recife. Durante o evento na UFPE, quinze volumes foram comercializados.


O oficina começou no hall do Centro de Arte e Comunicação (CAC) da UFPE, mas a pedido da diretoria do curso foi transferido para um local ao ar livre, a apenas cinco metros da área onde a aula prática havia começado. De acordo com o Secretário do CAC, Inácio Silva, essa foi a melhor solução para evitar o conflito entre a universidade e os adeptos da maconha:

- O espaço é institucional, e os organizadores não solicitaram autorização para a realização desse evento. O assunto é muito polêmico e complicado e não fica bem discuti-lo dentro de um estabelecimento educacional. Não se pode misturar as duas coisas - disse Silva.


Vidal - que é membro do Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas - Conad - já deu várias oficinas, inclusive na Bahia e em São Paulo. Mas em Recife foi a primeira vez que ela ocorreu no campus.

- Em Salvador não foi no campus, mas na sede do Diretório Central de Estudantes, que não é campus, mas uma casa dos estudantes - disse, ressaltando, ainda, que o cultivo doméstico do entorpecente é um meio de conseguir a redução de danos para o usuário da droga.

- A maconha poder causar danos à saúde? Pode. Mas a maior parte dos danos provocados pela marijuana deve-se à proibição dela. É o risco que o usuário sofre ao ir na boca de fumo, é o risco que tem do usuário apanhar da polícia, o risco que tem de fumar uma coisa estragada ou adulterada, porque o traficante não tem preocupação com a qualidade do que ele está vendendo - disse.

Para ele, a melhor saída para o dependente da droga - inclusive para fins medicinais - é cultivá-lo em casa.

- A pessoa tem como controlar a qualidade e se defender do mercado perverso que tem lá fora. Não vai precisar sair de casa, nem ir na boca de fumo, nem transportar maconha, nem correr o risco de ser abordado pela polícia - ressaltou.

O antropólogo reconhece, no entanto, que a recomendação, se seguida, implica em tipificação no Código Penal. Portanto, plantar maconha em casa também é crime.

- Ele pode responder por cultivar para consumo próprio. E vai ter uma pena se for flagrado, não tem prisão, mas vai ter pena sim por essa conduta. Mesmo assim, é menos arriscado. Porque hoje em dia, a pena para quem compra ou porta é a mesma para quem planta para fins medicinais. O que é curioso é que no Brasil o governo reprime quem cultiva para consumo pessoal. Mas quem faz isso está deixando de colaborar com o tráfico de drogas - afirmou.

Na aula, o antropólogo mostrou como se cultiva a erva, que tipo de componentes devem ser utilizados nos jarros e explicou quais as flores que têm o princípio ativo da maconha.

Sergio Vidal no Recife - 3 / Post no blog de Jamildo do JC


????????????????

Sergio Vidal no Recife - 2 / Matéria no DP por Andre Dib


Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR
13/06/2011 | 11h30 | Legalização


Desdobrada em marchas e demais formas de ativismo, a descriminalização da maconha tem sido pauta recorrente da socidade. Nos últimos meses, a imprensa vem repercutindo opiniões, como a do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que no documentário Quebrando o tabu admitiu o conservadorismo de seu governo e hoje afirma ser contra o uso de violência para reprimir o consumo da planta. “A gente tem de sacudir a sociedade”, disse FHC.

O assunto desperta reações inflamadas. Nesta segunda-feira, um evento no Recife não deve ser menos polêmico. Primeiro às 14h, quando o antropólogo baiano Sérgio Vidal ministrará uma oficina de autocultivo de cannabis no hall do Centro de Artes e Comunicação da UFPE. Depois, às 20h, ele lança o livro Cannabis medicinal - introdução ao cultivo indoor (158 páginas, R$ 29,90), na Rua Mamede Simões, 144 - Boa Vista (próximo à Assembleia Legislativa).

Participe de chat com Sérgio Vidal nesta segunda (13/06) às 17h no DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR

Legalmente respaldado, o autor encontrou na defesa do uso medicinal uma brecha para poder discutir abertamente o cultivo da maconha, no que ele afirma ser o primeiro livro brasileiro sobre o assunto. “Ler não é crime. É como um livro sobre cirurgia, todo mundo pode ler, mas quem pode fazer é o cirurgião”, diz Vidal, que há oito anos se dedica a pesquisar o tema e prepara um outro para breve, com a história da cannabis.

“O Brasil tem um histórico de cultivo”, conta. “No fim do século 18, havia um empreendimento oficial da coroa portuguesa, a Real Feitoria do Linho Cânhamo. No Império, havia um decreto que proibia as pessoas de recusar ceder as terras para cultivar o cânhamo. Em menos de cem anos, mudou completamente a relação com a planta. Mas hoje o governo pode autorizar seu uso medicinal. Temos uma lei federal dando suporte para isso”.

Vidal avalia o momento como favorável para uma mudança de mentalidade. “O que o Fernando Henrique fala não é nenhuma novidade, mas ele tem um papel importante porque sua imagem atinge pessoas que normalmente não ouviria nenhum pesquisador. Não adianta a lei mudar se alguém vai chamar a polícia se ver um pé de maconha na varanda do vizinho. Em termos de lei o Brasil está avançado, no papel, mas na prática o usuário continua apanhando na rua”.
Por André Dib, do Diario de Pernambuco


Sergio Vidal no Recife - 1

homenagem à edição 200 da Revista Trip

6 de jun de 2011

5 de jun de 2011

Marcha da Maconha - Brasília 2011 - fotos: Sinclair Maia





SEMINÁRIO: DROGAS, SUBJETIVIDADE, AUTONOMIA E TUTELA

No Centro de Convenções de Pernambuco, dias 13 e 14 de junho

Inscrições no período de 19/05 a 07/06/2011, pelo email: eventos@crppe.org.br



Marcha Mundial de la Marijuana 2011 - Buenos Aires, por Mirito Newton


-Putz, to atrasado...
foi a primeira coisa que passou na minha cabeca quando acordei no dia 7 de maio as 2 da tarde... concentração da marcha de buenos aires tava marcada pra 1 da tarde, sairia as 3 da plaza de mayo, e eu toh longe pacas desse pico...

arrumo rapidao, confirmo se a camara e as pilhas reservas tao na mochila, pego o premprem ganhado dos brothers brasileiros que trombei no dia anterior (e motivo do atraso indiretamente.. rsrsr)

pego o trem para estacao retiro, sao 30 min de viagem, e eu ansioso pra chegar com a galera na plaza ainda..
da estacao retiro, mais um metro (subte) até a avenida de mayo, de onde eu desceria caminhando ateh a praca...
chego na avenida de maio jah sao 3:18 pm, desco feito louco pro lado da praca, esperando dar de frente com a massa, quando de repente...

Olho na rua do outro lado e vejo uma tropa de pessoas de verde com cartazes na mão passando...
na hora bate aquela felicidade de crianca quando encontra o ovo de chocolate na páscoa... atravesso a rua correndo e com o que me deparo?

15.000 pessoas marchando pela descriminalizacao do cultivo e do consumo da maconha...
confesso que foi um choque... 15.000 pessoas??? cara, imagina o tanto de gente que é isso... fui na marcha de brasilia ano passado, 1000 pessoas, vitória enorme, mas 15.000??? outra realidade...
Uma das primeiras coisas q chamou a atencao foi o tanto de cartazes de associacoes de cidades ou de bairros de "agricultores" (cultivo pra consumo) que se manifestaram na marcha... conversa de cultivo aqui é tão comum quanto se conversar sobre algum trabalho da faculdade em mesa de bar...


Rastas, minas, manos, velhinhos, crianças, todos juntos, caminhando sem nenhum problema, nenhuma discussão, e com aquele cheiro típico no ar... se via que não era o premprem paraguaio que tambem rola por aqui (e que eu tava com um "regalo" de uns 3 becks) que tava sendo queimado...

Uma coisa, a galera acha que Argentina tá legalizado, não é bem assim, aqui rola uma coisa que é o seguinte:

"ao estar penalizado abertamente a posse e o cultivo, a policia pode levar a quqalquer pessoa por possuir drogas ou cultivar..."
|
detencao e ingresso ao sistema penal

se existe provas do comercio: condenacao por posse para comercializacao / (agravante) 4 a 15 anos de prisao

se o usuario, submetido a um processo, demonstra sua inocência se passando por viciado: condenação por posse para consumo pessoal / (atenuante) 6 meses a 2 anos de prisao

-------------------------------------------------------|---------------------------------------------------------------------

se nao existem provas de comercio, mas o usuario nao convence o juiz do consumo: posse simples/cultivo simples / 1 a 6 anos de prisao


Os hermanos tem o artigo 19 da constituicao tambem, que diz que o que vc faz dentro de sua casa, desde que nao traga danos a terceiros, é problema seu, mas sempre tem um vizinho caguete pra denunciar (aqui precisa de fotos para fazer uma denuncia de cultivo)

Nessa rodam muitos cultivadores, que dentro das cadeias sao torturados, como é o caso de Mathias Faray (http://www.taringa.net/posts/noticias/10253240/Explicaciones-poco-convincentes-_policia-no-investiga_.html) que esse ano falou sobre seu tempo de carcere para os manifestantes...

Victoria Donda, deputada, tambem foi falar que esse ano sera votada a lei de descriminalizacao do cultivo e consumo, agora estao decidindo qual dos 5 projetos de descriminalizacao será o melhor para o povo...

Caminhando pela rua, papeis da Norml sendo distribuidos, dicas de como agir se a policia te enquadra pela revista THC, galera da Haze em peso, e é lógico que levei uns do growroom pra distribuir.. XD

4:20, chegamos em frente ao congresso... a galera lota a praca, avenida rivadavia acaba ficando fechada pela quantidade de pessoas, e eh nesse clima que a galera comeca a tocar, rolar os debates, e por todo lado que vc olhava, galera matando "el bajón", nossa classica "larica"...

Sai da marcha as 8 da noite, depois de trocar ideia com uma galera de growshop e cultivadores que já conheci por aqui... o caminho de volta era longo, um metro e um trem pra chegar em san isidro, mais só a sensacao de poder ter participado de uma marcha com 15.000 pessoas, foi algo emocionante...

Não sei de pelé vs maradonna, mais em ativismo cannabico, os hermanos estao muuuito a frente dos brasucas..

newton "mirito"
goiano, autor do "praia do cerrado" na radio legalize e do "mochilao legalize" esse ano...
mais fotos em
http://www.facebook.com/media/set/?set=a.183603191691470.58376.100001253721544&l=61b9d126c7


1 de jun de 2011

24 de mai de 2011

entrevista com Dana Beal, um dos "pais" da Marcha da Maconha - traduzido da Cannabis Culture


Entrevista com (Irvin) Dana Beal para a Legalizace Magazine, da República Checa, por Michael Rehak.

As perguntas foram transmitidas via email para o advogado de Dana e respondidas por ele à lápis, na cadeia, enviadas por correio e transcritas em Nova Iorque por Evan Yippiel, e enviadas de volta para a Legalizace. Entrevista completa publicada na Cannabis Culture (cannabisculture.com) no blog de Ed Rosenthal. [http://cannabisculture.com/v2/node/27053]

(...)

A “Million Marijuana March” [Marcha de um Milhão pela Maconha”, em tradução livre. Ou “Worldwide Marijuana March” / “Marcha Global da Maconha”, ou simplesmente “Marcha da Maconha”] se tornou um evento padrão em muitas cidades do mundo. Em Praga, ela apresenta um número crescente de adeptos (cerca de 12.000 no ano passado). Quando e como surgiu a ideia de criar um evento global? Quando e onde a Marcha foi realizada pela primeira vez? Como você definiria objetivamente as metas da Marcha? Que tipos de atividades/agenda a Marcha significa para você e seus colegas agora?

A primeira Marcha da Maconha foi realizada em Nova Iorque, no primeiro sábado de Maio de 1998 [01/05/1998] para anunciar o lançamento da Marcha Mundial no ano seguinte. Foi organizada por Ed Rosenthal, Jack Herer, Gatewood Galbraith e Denis Peron, em resposta ao prefeito de Nova Iorque Rudolf Giuliani (que rima com Adolf Mussolini) que tentava banir completamente a nossa tradicional “Pot Parade” [Parada da Maconha], realizada anualmente desde 1972.

Estávamos decididos a alcançar os defensores da Cannabis em Londres, que tinham acabado de fazer uma marcha pela Cannabis patrocinada pelo “The Independent”, num domingo, para destacar o fato de que tínhamos menos direitos durante a administração do nosso prefeito fascista do que o povo britânico sob a administração da Rainha da Inglaterra... apesar de eles viverem numa eterna revolução contra a monarquia para ter esses direitos assegurados. As bandeiras daquela marcha foram – e ainda são – Pelo fim de todas a prisões relacionadas à Cannabis; Pelo fim das mentiras; Pela Liberdade da Medicina; Pela cura dos enfermos; Pelo fim do Estado que promove a prisão; Pela cura, não Pela Guerra. [no original: Stop All Cannabis Arrests; Stop the Lies; Release the Medicine; Heal the Sick; End the Prison State; Cures Not Wars]

Em 1999, tivemos a maior marcha de todos os tempos, a que é exibida no final do filme “Grass”. O melhor de tudo, é que nesse primeiro ano nós já estávamos estabelecidos em 36 cidades. Através (da mobilização) para as “Millenium Marijuana March” [em 2000], “The 2001 Space Odyssey” e a “LIberation Day” [de 2002], avançamos para 238 cidades. No meio dessa primeira década caímos para o ponto mais baixo de eventos registrados: 165 cidades, para daí avançar, em 2010, para 330 cidades. Esse ano, com Marc Emery e eu trancados*, provavelmente não chegaremos nem perto de nossa meta das 420 cidades. Mas nós sabemos que quando chegarmos ao nosso objetivo de ter entre 1.000 e 10.000 pessoas em cada uma de 900 cidades, uma mudança de fase vai ocorrer e o movimento pró-maconha será aceito como um movimento de direitos civis legítimo em todo lugar.

Quais são as cidades mais mobilizadas na realização da Marcha e as que registram o maior apoio à legalização?

As maiores cidades são Nimbin [na Austrália], Toronto, Roma, Buenos Aires – e Cidade do México – com Madri e Praga logo atrás. Londres costumava ter 100 mil pessoas nas ruas, entrou em colapso, e agora está se reconstruindo. Em San Francisco [EUA], também houve um colapso por conta da desarticulação das lideranças. Nova Iorque tem um problema perene com a polícia de lá. Mas uma série de outras cidades mantém a média de 1.000 a 3.000 participantes. Lembre-se que se tivéssemos 900 cidades, isso significaria um milhão de manifestantes pró-maconha em todo o mundo. O subcontinente indiano, sozinho, representa uma oportunidade fértil para adicionarmos 80 cidades [isso sem mencionar o potencial da África].

(...)

Você se lembra de algum problema grave, com a polícia ou outras (forças de repressão), que surgiu em relação à Marcha?

O pior país é a Rússia, onde mais de 15 eventos foram brutalmente reprimidos por agressões policiais. Isso pode mudar, agora que se foi Luzhkov [Prefeito de Moscou de 1992 a 2010. Famoso por reprimir manifestações populares, e ser – junto com a esposa – proprietário de 11% dos imóveis construídos na capital russa sob sua administração]. Sei que o Brasil continua tentando criminalizar as marchas, mas mesmo Sarkozy, o queridinho da Cientologia, não é capaz de reprimir o evento anual na ”Place de Bastille”.

*Dana Beal e Marc Emery estão presos. conheça mais sobre essas histórias nos sites http://www.freedanabeal.org e http://freemarc.ca/

23 de mai de 2011

20 de mai de 2011

#marchadamaconha #recife 2011

lembra da proibição? ainda não funciona
na foto, os gângsters de al capone, prontos pra vender álcool de qualquer qualidade na tora. a lição - que os ervangélicos ainda hão de entender - é que proibir não educa, nem gera justiça ou paz. (exceto no caso de tentar proibir a marcha, que só fortalece os argumentos de quem apoia movimento... eita... #chupafundamentalista !)



e a matéria no Jornal do Commercio de hoje:

Marcha da Maconha só com restrição
Ato deve terminar uma hora mais cedo para não coincidir com eventos culturais marcados para o Bairro do Recife
Acabou o suspense. Após três dias, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) decidiu não entrar com ação na Justiça para pedir a proibição da Marcha da Maconha, agendada para domingo, às 14h, no Bairro do Recife. Apesar do pedido de parlamentares evangélicos ao procurador-geral de Justiça, Agnaldo Fenelon, a passeata será realizada. Porém, com algumas exigências e restrições, como a de ter que divulgar que o uso do entorpecente é maléfico a crianças e adolescentes. Insatisfeito com a decisão do MPPE, o deputado estadual Cleiton Collins disse que a Marcha da Família será mantida para o mesmo dia. O objetivo é se contrapor ao ato em defesa da descriminalização da Cannabis sativa, nome científico da maconha.

Na última terça, os promotores receberam de Fenelon a missão de analisar se caberia ou não uma ação contra a Marcha da Maconha. Eles estavam receosos, pois o ato ocorreria no mesmo dia e local do Virada Recife Antigo, evento iniciado este ano para estimular os recifenses a frequentar o Bairro do Recife. Na reunião de ontem com os organizadores da marcha, os promotores argumentaram que, no local, estariam várias crianças. Para fechar um acordo, ficou decidido que a passeata acabará uma hora antes do outro evento, marcado para as 16h, na Praça do Arsenal. Os organizadores do ato também garantiram que não passarão pelo local do Virada Recife Antigo.

A promotora da Infância e Juventude, Jequeline Aymar, também exigiu que, na manifestação, os organizadores terão que divulgar os malefícios do uso do entorpecente para crianças e adolescentes. Desde a primeira edição no Recife, em 2008, a organização da Marcha da Maconha orienta os simpatizantes a não fumar nem portar a erva. Apenas ir às ruas pedir mudança da legislação brasileira.

"“É o papel do Ministério Público promover a justiça social para todos. Havia um outro evento, com outro público-alvo, no mesmo bairro. Os promotores queriam saber o percurso. Foi sugerida a mudança e acatamos na hora"”, relatou o jornalista Neco Tabosa, um dos organizadores da marcha. Ele contou ainda que serão distribuídos três mil panfletos com orientações sobre redução de danos.

REAÇÕES

No último dia 9, os irmãos parlamentares Anderson e André Ferreira, da Assembleia de Deus, pediram a Fenelon que agisse contra a marcha. O primeiro é deputado federal. O outro, vereador do Recife. Em seguida, os organizadores do ato lançaram na internet uma carta aberta defendendo o direito do grupo ir às ruas se manifestar pacificamente. Até ontem à noite, o movimento tinha 361 adesões. O deputado estadual Luciano Siqueira foi o único político a assinar. Depois, outros dois parlamentares evangélicos, Francisco Eurico e Adalto Santos, ambos da Universal do Reino de Deus, também pediram a Fenelon uma medida. Agora, com a decisão do MPPE de não entrar na Justiça, os contrários à passeata vão mobilizar a Marcha da Família.


e a marcha da 'família de claitoncollins' vai rolar em outro lugar. boa marcha, rapaziada! quem sabe a gente não se encontra no final? :D



13 de mai de 2011

Lista de Signatários da Petição Pela Liberdade de Expressão e Realização da Marcha da Maconha

até os pinguins tão mais ligados que os ervangélicos anti-democracia


uma petição online que vai ser levada Ao Ministério Público de Pernambuco na semana que vem. pra vc ler e, se concordar, assinar...

metous/lombra - peça já a sua! (antes que acabe*)

*e não é caô de vendedor, não. passei 7 - em cinco dias - aqui no Recife. agora tem muita regata e babylook. será que vai sobrar uma pra mim?

metous #69 - jogo dos 7 erros

(clique na imagem pra ampliar)

11 de mai de 2011

CARTA ABERTA AO POVO DE PERNAMBUCO - coletivo marcha da maconha recife

publicada aqui



CARTA ABERTA AO POVO DE PERNAMBUCO

1. A Marcha da Maconha é organizada em âmbito mundial desde 1999. Em 2011, 350 cidades - de todos os continentes - registraram seus eventos. No Brasil, são 19 cidades. Só aqui, são esperados cerca de 20.000 manifestantes pelas ruas do País.

2. O ato público denominado “Marcha da Maconha - Recife” está marcado para ser realizado – pela quarta vez consecutiva – no Bairro do Recife Antigo – na Torre Malakoff, no domingo, dia 22 de Maio de 2011, a partir das 14 horas. Esse ano, a organização promove a arrecadação de donativos para vítimas das enchentes em todo o Estado de Pernambuco. Leve sua contribuição (alimentos não perecíveis, roupas, colchões e cobertores) que o material será encaminhado a postos de coleta do Governo do Estado.

3. A passeata não faz apologia às drogas – o incentivo ao consumo, que é um crime - a Marcha da Maconha reúne cidadãos brasileiros que pedem uma mudança na atual legislação. Como fazem o Movimento LGBT, o Movimento Negro Unificado, entre outros.

4. Qualquer cidadão brasileiro pode ser contrário à Marcha da Maconha. O que não pode ser feito é tentar impedi-la de acontecer. Quem for contrário ao movimento pode, por exemplo, organizar outra marcha – em outro local – pra tentar esvaziar a Marcha da Maconha.

5. A Marcha da Maconha não é organizada por criminosos anônimos. Somos jornalistas, médicos, assistentes sociais, historiadores, religiosos, cientistas, poetas, profissionais liberais, entre outros. Para entrar em contato com a organização, basta enviar uma mensagem para marchadamaconharecife@gmail.com .

6. No Recife, desde 2008, o grupo de organizadores já participou de diversas ações para fomentar o debate na sociedade. Foram entrevistas na televisão, depoimentos em jornais, audiências públicas na Câmara de Vereadores, eventos culturais, reuniões na Secretaria de Defesa Social do Governo do Estado, etc.

7. Acreditamos que a atual legislação brasileira gera – muita – violência e corrupção. E que o governo não pode ser omisso em discutir a questão das drogas como um problema de toda a sociedade brasileira. Se você está satisfeito com o atual estado das coisas, não precisa marchar em lugar nenhum. Mas também não tente impedir que seja realizado um movimento legítimo, e que tem propostas reais de mudança para todos.

Coletivo Marcha da Maconha

Recife, 11 de Maio de 2011

28 de abr de 2011

19 de abr de 2011

18 de abr de 2011

12 de abr de 2011

metous 66 - vizinho cerrão II

11 de abr de 2011

Rifa Growroom - Marcha Da Maconha 2011 - www.growroom.net



Rifa Growroom Beneficiente a Marcha da Maconha 2011

Objetivo:
Essa rifa tem como intuito a arrecadação de fundos para a participação do Growroom na Marcha da Maconha 2011.
A participação do Growroom na Marcha envolve produção de material gráfico, infra estrutura de som e divulgação da Marcha.

Prêmios:
2º prêmio 1 Bong da UltraEco
3º prêmio 1 camisa canarinho + 1 uma camisa Eu amo GR + Um grande livro da Cannabis + 100 Adesivos Growroom

Sorteio pelo Concurso Federal da Caixa Econômica


R$ 40,00 cada rifa